segunda-feira, 2 de julho de 2007

"O Monge e o Executivo"



Bestseller de auto-ajuda que fala sobre liderança





Em síntese, prescreve uma visão cristã do amor como a essência universal da liderança







referência

http://www.esextante.com.br/publique/cgi/public/cgilua.exe/web/templates/htm/principal/view_0002.htm?editionsectionid=2&infoid=1085&user=reader



Esse tema é batidíssimo. Mas o livro inova associando a disciplina espiritual cristã, o queé seu ponto fraco, também, poris torna a narrativa moralista.

Basicamente ele defende que a liderança é influenciar pessoas pro Bem, motivando-as através do Amor. A visão de Amor do livro não é a romântica, mas a cristã, presente na Bíblia em "I Cor. 13" (um misto de dedicação, honestidade, altruísmo, paciência, etc). Quando se influencia as pessoas positivamente por vínculos de amor, a liderança brota naturalmente por uma autoridade respeitosa, e não pelo uso coercitivo da força, ameaças, berros, etc.

Acabou.

Isso é o livro.

Isso e, claro, muita encheção de lingüiça.

OBS: um mérito do autor é reconhecer o "Princípio 10% de Thorndike": "Apenas 10% do trabalho em treinamento de pessoal consegue atingir efetividade de mudanças no mesmo, se o ambiente organizacional não for alterado junto".

3 comentários:

zemalaka disse...

Huahuahua...Qual o livro de auto-ajuda que não contém muita encheção de linguiça???


Legal a idéia do blog!!!
Vou passar sempre aqui!!!

Danilo de Paiva disse...

aff esse livro é uma merda. Tem até alguns pontos interessantes, mas estragam tudo com a carolice cristã. Ainda não encontrei um bom livro sobre liderança que não toque na palavra Deus. O pior de todos que já li foi A arte de influenciar pessoas, de John Maxwell. Um absurdo, o autor tenta descaradamente converter o leitor em cristão. Esse tipo de livros não servem para um agnostico como eu.

Anddrummer disse...

Putz cara. Acho a idéia do teu blog muito boa. Sem demagogia. Também acho que exista sim (quase que sublimenarmente) uma industria dinheirista da auto-ajuda. Mas sejamos...ou melhor, não sejamos tendenciosos nem prepotentes.Se a mãe, que dá a luuuuzzzzz, desse ao seu bebê comida de adulto certamente o a CRIANÇA não sobreviveria, ja que seu organismo não esta apto para absorver tais nutrientes e alimentos "pesados". Senti falta de melhor argumentação pois vc conjuga muito bem o verbo ser mas peca muito no verbo provar. Arrogância nunca deveria ser errado (ops.. estamos falando de moralidade agora...).Tem que ser mesmo arrogante pra usar o S maiúsculo de Protetor (eu sei que não tem S na palavra, mas entenda...) e dizer que a literatura de outrem é uma bosta, ou pra falar a verdade mesmo à quem se interesse por ela.Mas entenda, estou usando com vc a mesma ferramenta que usa com os "Escritores" das literaturas criticadas aqui: um verbo ser mal conjugado. Se querem dinheiro ou não, se tem muita linguiça na frigideira, então que comam os que tem fome. Que enriqueçam os que estão pobres. Mas sua postura só protege quem se julga o "adulto da verdade" embora suas intenções sejam Arrogantemente valiosas.
abraço...